O papel da pergunta do estudante na construção de projetos destinados às feiras de ciências: reflexões e possibilidades

Mônica da Silva Gallon, Lorita Aparecida Veloso Galle, Zulma Elizabete de Freitas Madruga

Resumo


Este artigo objetiva apresentar uma prática realizada em sala de aula na qual se explora o papel da pergunta do estudante, observando de que modo ela pode favorecer a construção de projetos destinados às feiras de ciências. A elaboração e a condução do questionamento podem originar os objetivos e as hipóteses da pesquisa, devendo constituir, portanto, um momento de reflexão e de intervenção do professor. Neste estudo, aponta-se como exemplo um conjunto de perguntas propostas pelos próprios estudantes durante um exercício de observação numa aula da disciplina de Ciências. Os sujeitos da pesquisa foram 22 estudantes do 7º ano, com idade média de 13 anos, de uma escola pública municipal da região metropolitana de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. As perguntas dos estudantes foram, na sequência, estudadas por meio da metodologia da Análise Textual Discursiva, o que resultou em duas categorias a priori: perguntas informativas e perguntas investigativas. Evidenciou-se o quão importante é o papel do professor na etapa da proposição de questionamentos, assim como no seu aprimoramento, visando refiná-los em prol da construção de projetos a serem apresentados em feiras científicas.


Texto completo:

PDF

Referências


BARREIRO, C. B. Questionamento Sistemático: alicerce na reconstrução dos conhecimentos. In: MORAES, R.; LIMA, V. M. R. (Org.). Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. 3. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2012. p. 127-140.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC/SEB/DICEI, 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2017.

______. Base Nacional Comum Curricular. 3. versão. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2018.

CHIN, C.; OSBORNE, J. Students Questions: a potential resource for teaching and learning science. Studies in Science Education, v. 44, n. 1, p. 1-39, 2008.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2009.

DEMO, P. Educar pela pesquisa. 9. ed. Campinas: Autores Associados, 2011.

DILLON, J. T. Student questions and individual learning. Educational Theory, v. 36, n. 4, p. 333-341, 1986.

FREIRE, P.; FAUNDEZ, A. Por uma pedagogia da pergunta. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

FURMAN, M.; PODESTÁ, M. La aventura de enseñar Ciencias Naturales. Buenos Aires: Aique, 2009.

GALLE, L. A. V. Estudo sobre reconstrução significativa de conteúdos no ensino fundamental por meio de unidade de aprendizagem sobre alimentos. 2016. 203 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Faculdade de Física, PUCRS, Porto Alegre, 2016.

GIORDAN, A.; VECCHI, G. As origens do saber: das concepções dos aprendentes aos conceitos científicos. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 1996.

GONÇALVES, T. V. O. Feiras de ciências e formação de professores. In: PAVÃO, A. C.; FREITAS, D. (Org.). Quanta ciência há no ensino de Ciências. São Carlos: Ed. UFSCAR, 2011. p. 207-215.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em Ciências Humanas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

LIMA, M. E. C. Feiras de ciências: o prazer de produzir e comunicar. In: PAVÃO, A. C.; FREITAS, D. (Org.). Quanta ciência há no Ensino de Ciências. São Carlos: Ed. UFSCAR, 2011. p. 195-205.

MANCUSO, R. A Evolução do Programa de Feiras de Ciências do Rio Grande do Sul: avaliação tradicional x avaliação participativa. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1993.

MANCUSO, R; LEITE FILHO, I. Feiras de Ciências no Brasil: uma trajetória de quatro décadas. In: BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Programa Nacional de Apoio às Feiras de Ciências da Educação Básica (Fenaceb). Brasília: MEC, 2006. p. 11-43.

MANCUSO, R.; MORAES, R. Museus interativos, feiras e clubes de ciências. In: BORGES, R. M. R. Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS: coletânea de textos publicados. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2015. p.141-150.

MORAES, R. Debatendo o ensino de ciências e as feiras de ciências. Boletim Técnico do PROCIRS, Porto Alegre, v. 2, n. 5, 1986, p. 18-20.

______. As práticas e a experimentação no processo da pesquisa. In: PAVÃO, A. C.; FREITAS, D. (Org.). Quanta ciência há no ensino de Ciências. São Carlos: Ed. UFSCAR, 2011. p. 81-90.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C.; RAMOS, M. G. Pesquisa em sala de aula: fundamentos e pressupostos. In: MORAES, R.; LIMA, V. M. R. (Org.). Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. 3. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2012. p. 11-20.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. 2. ed. Ijuí:

Unijuí, 2013.

POZO, J. I.; GÓMEZ CRESPO, M. A. A aprendizagem e o ensino de Ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

ROCA, M. R.; MÁRQUEZ. C.; SANMARTÍ, N. Las preguntas de los alumnos: uma proposta de análisis. Enseñanza de las Ciencias, n. 31.1,

p. 95-114, 2013.

SANMARTÍN, N.; MÁRQUEZ, C. Enseñar a plantear preguntas investigables. Alambique, n. 70, p. 27-36, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Mônica da Silva Gallon, Lorita Aparecida Veloso Galle, Zulma Elizabete de Freitas Madruga

TECNIA – REVISTA DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFG

EDITORA IFG
Rua C-198, Quadra 500, Jardim América | CEP 74.270-240 | Goiânia/GO

tecnia@ifg.edu.br
(62) 3237-1816