AVALIAÇÃO DE FRAGMENTOS DE CERRADO POR MEIO ÍNDICES ESPECTRAIS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO VERMELHO (GO).

Eliane Soares Ribeiro, Paula Regina Leite de Brito, Carolina Gomes de Jesus, José Carlos de Souza

Resumo


Este artigo tem como objetivo avaliar as características espectrais dos fragmentos de formação florestal e savânica de Cerrado, da bacia hidrográfica do Rio Vermelho, por meio dos índices NDVI e SAVI. A bacia hidrográfica do Rio Vermelho possui uma área aproximada de 10.800 Km² e compõe o sistema de drenagem da bacia hidrográfica do rio Araguaia. A definição dos fragmentos de cobertura vegetal e o cálculo dos índices foram feitos utilizando imagens do satélite Sentinel 2A, bandas RGB e infravermelho próximo. O resultado dos índices NDVI e SAVI para os fragmentos, evidenciaram uma importante diferença nas características da cobertura vegetal, indicando as formações florestais com maior vigor, densidade e produção fotossintética do que as formações savânicas. Os valores médios, máximos e o pico de frequência dos índices foram maiores para as formações florestais e menores para as formações savânicas, reflexo da diferença de densidade vegetativa e da variação das espécies nestes tipos de fitifisionomias. A composição Infravermelho Colorida das imagens Sentinel 2A, apresentaram boa aplicabilidade na distinção das fitofisionomias analisadas e no cálculo dos índices, por possuírem a melhor resolução espacial dentre as imagens gratuitas.

Texto completo:

PDF

Referências


BARET, F.; GUYOT, G. Potentials and limits of vegetation indices for LAI and APAR assessment. Remote Sensing Of Environmental, New York, v. 3, n. 2, p.161-173, 1991.

CEMIN, G.; PERICO, E.; REMPEL, C. Composição e configuração da paisagem da sub-bacia do Arroio Jacaré, Vale do Taquari, RS, com ênfase nas áreas de florestas. Revista Árvore, Viçosa MG, v. 4, n. 33, p.705-711, 2009.

DELBART, Nicolas et al. Remote sensing of spring phenology in boreal regions: A free of snow-effect method using NOAA-AVHRR and SPOT-VGT data (1982–2004). Remote Sensing Of Environment, [s.l.], v. 101, n. 1, p.52-62, mar. 2006.

DEMARCHI J. C.; PIROLI, E. L.; ZIMBACK, C. R. L. Análise temporal do uso do solo e comparação entre os índices de vegetação NDVI e SAVI no município de Santa Cruz do Rio Pardo – SP usando imagens Landsat-5. RA´E GA, v. 21, p. 234-271, 2011.

ESA - EUROPEAN SPACE AGENCY. Level-1. 2019b. Disponível em: < https://sentinel.esa.int/web/sentinel/user-guides/sentinel-2-msi/processing-levels/level-1>. Acesso em 16/03/2020.

HUETE, A. R. A soil-adjusted vegetation index (SAVI). Remote Sensing of Environment, New York, v. 25, p. 295-309, 1988.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diagnostico Ambiental da bacia do Rio Araguaia – Trecho Barra do Garças (MT) – Luis Alves (GO). Por Del’Arco J. O. et al. Goiânia. 1999.

JENSEN, J. R. Sensoriamento remoto do ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. Tradução da 2ª ed. por (pesquisadores do INPE): José Carlos N. Epiphanio (coord) [et al.]; São José dos Campos: Parêntese. 2009. 672 p.

KLINK,Carlos A; MACHADO, Ricardo B. A conservação do Cerrado brasileiro. MEGADIVERSIDADE, Volume 1. No 1. Julho 2005.

MACHADO, L. E. G.; LIMA, C. V. Compartimentação geomorfológica da bacia hidrográfica do Rio Vermelho (GO) utilizando imagens ASTER. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011.

MENESES, P. R.; ALMEIDA, T. Aritmética de bandas. In: MENESES, P. R.; ALMEIDA, T. (Orgs) Introdução ao processamento de imagens de sensoriamento remoto. Brasília: UnB/CNPq, 2012, 276p.

PAU, S.; GILLESPIE, T. W.; WOLKOVICH, E. M. Dissecting NDVI-species richness relationships in Hawaii an dry forests. Journal Of Biogeography, [s.l.], v. 39, n. 9, p.1678-1686, 2012.

PONZONI, F. J.; SHIMABUKURO, Y. E. Sensoriamento remoto aplicado ao estudo da vegetação. 1. ed. São José dos Campos: Parêntese, 2007. 135 p.

ROUSE, J. W. et al. Monitoring vegetation systems in the Great Plains with ERT. In: NASA Earth Resources Techonology Satellite, I Symposium Proceedings. Washington, NASA. p. 309-317, 1973.

RAFIQUE, R. et al. Global and Regional Variability and Change in Terrestrial Ecosystems Net Primary Production and NDVI: A Model-Data Comparison. Remote Sensing, [s.l.], v. 8, n. 3, p.177-193, 25 fev. 2016.

RIBEIRO, J.F., S.M. Sano; J.A. da Silva. 1981. Chave preliminar de identificação dos tipos fisionômicos da vegetação do Cerrado. pp. 124-133 In: Anais do XXXII Congresso Nacional de Botânica. Sociedade Botânica do Brasil, Teresina, Brasil

RIBEIRO, José Felipe; WALTER, Bruno Machado Teles. As principais Fitofisionomias do Bioma Cerrado. IN: SANO, Sueli Matiko; ALMEIDA, Semíramis Pedrosa; RIBEIRO, José Felipe. Cerrado Ecologia e Flora. Embrapa Informação Tecnológica. Brasília-DF, 2008.

SILVA, E. R. A. C.; MELO, J. G. S., GALVÍNCIO, J. D. Identificação das Áreas Susceptíveis a Processos de Desertificação no Médio Trecho da Bacia do Ipojuca - PE Através do Mapeamento do Estresse Hídrico da Vegetação e da Estimativa do Índice de Aridez. Revista Brasileira de Geografia Física. Recife, PE, n. 03, p. 629-649, 2011.

USGS - U.S. Geological Survey. Sentinel 2ª Data Users Handbook. Version 1.0. Sioux Falls, South Dakota. January 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Eliane Soares Ribeiro, Paula Regina Leite de Brito, Carolina Gomes de Jesus, José Carlos de Souza

TECNIA – REVISTA DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFG

EDITORA IFG
Rua C-198, Quadra 500, Jardim América | CEP 74.270-240 | Goiânia/GO

tecnia@ifg.edu.br
(62) 3237-1816