A EPISTEMOLOGIA DA PRÁXIS COMO BASE DO ENSINO CRIATIVO, COLABORATIVO E INOVADOR

Solange Martins Oliveira Magalhães

Resumo


A busca pelo ensino criativo, colaborativo e inovador tem sido uma demanda constante em cursos de formação de professores. No caso específico da Pedagogia, essa busca faz parte a constituição do ser integral, por meio da efetivação de uma base teórica sólida, capaz de sustentar atividades que visem uma formação omnilateral. Os pressupostos dessa formação são sustentados pela epistemologia da práxis que enfatiza uma concepção de ensino-aprendizagem crítica, plural, cuidadosa, colaborativa, criativa, inovadora, conscientizadora e emancipatória, com um compromisso explícito com a transformação dos sujeitos. A partir dessa base epistemológica que se sustenta no materialismo histórico e dialético, neste artigo apresentamos uma reflexão sobre uma experiência de ensino-aprendizagem, implementado no curso de Pedagogia, no ano de 2018, com foco na importância da relação e interdependência entre afetividade e inteligência na construção do conhecimento. Essa interdependência é parte importante do processo de ensino-aprendizagem pensado como práxis na formação de professores. Apresentamos estratégias de ensino que compuseram a Metodologia do Ensino Ativo, tornando o processo mais dinâmico, interdisciplinar e criativo, influenciando significativamente na leitura, interpretação, escrita, síntese, metacognição, resolução de problemas, criticidade, ética, dos alunos. A iniciativa também promoveu a melhoria dos vínculos estabelecidos entre os sujeitos-sujeitos, sujeitos-objetos do conhecimento, aspecto essencial à formação integral e humanizadora.


Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, E. M. L. S. Criatividade. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1993.

ANASTASIOU, L. G.C.; ALVES, L. P. Estratégias de ensinagem. In: Anastasiou, L. G.C. & Alves, L. P. (Orgs.). Processos de ensinagem na universidade. Pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 3. ed. Joinville: Univille, p. 67-100, 2004.

CHAUÍ, M. Espinosa - uma filosofia da liberdade. São Paulo: Editora Moderna Ltda, 2005.

DANTAS, H. Afetividade e a construção do sujeito na psicogenética de Wallon. In: LA TAILLE, Y. de; DANTAS, H.; OLIVEIRA, M. K. Piaget, Vygotsky e Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 15. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P.; SCHOR, I. Medo e ousadia, o cotidiano do educador. Paz e Terra, 1991.

GALVÃO, I. Wallon e a criança, esta pessoa abrangente. Revista Criança. São Paulo: Ministério da Educação, 1999.

______. Expressividade e emoções segundo a perspectiva de Wallon. In V.A. ARANTES; J. G. AQUINO (Eds.). Afetividade na escola. Alternativas teóricas e práticas (pp. 71-88). Campinas, SP: Ed. Summus, 2003.

GEERTZ, C. E. Visão de mundo, e a análise de símbolos sagrados. In: A interpretação das culturas. Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1978.

LEITE, S. A. S.; TASSONI, E. C. M. A afetividade em sala de aula: as condições de ensino e a mediação do professor, São Paulo: Unicamp, 2010.

______. Afetividade nas práticas pedagógicas. Temas psicol. [online]. 2012, vol.20, n.2.

LUCKESI, C. C. (1984). Avaliação educacional escolar: para além do autoritarismo. Tecnologia Educacional, Rio de Janeiro, n. 61, p. 6-15, nov./dez, 1984.

MACHADO, L. V.; FACCI, M. G. D.; BARROCO, S. M. S. Teoria das emoções em Vigotski. Psicologia em Estudo, 2011, 16(4), 647-657.

MAGALHÃES, S. M. O.; SOUZA, R. C. C. R. Epistemologia da práxis e a produção do conhecimento. R. Educ. Públ. Cuiabá, v. 27, n. 64, p. 17-40, jan./abr. 2018.

MAGALHÃES, S. M. O. Epistemologia da práxis: enfoque emancipatório e contra hegemônico na produção acadêmica. Revista Intersaberes, vol. 13, n. 30, 2019a.

MAGALHÃES, S. M. O. Violência política e ideológica contra os professores: a pedagogia do oprimido como medida de intervenção e transformação. International Journal of Latest Research in Humanities and Social Science (IJLRHSS). Volume 02 - Issue 02, 2019b. www.ijlrhss.com || PP. 01-05.

MAGIOLINO, L. L. S. Emoções humanas e significação numa perspectiva histórico-cultural do desenvolvimento humano: um estudo teórico da obra de Vigotski. Tese (doutorado), Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação. Campinas, SP: [s.n.], 2010.

MAHONEY, A. A.; ALMEIDA, L. R. de. Emoção e ação pedagógica na infância: contribuições da psicologia humanista. Temas em Psicologia, Sociedade Brasileira de Psicologia, São Paulo, n. 3, p. 67-72, 1993.

OLIVEIRA, M. K.; REGO, T. C. Vygotsky e as complexas relações entre cognição e afeto. In: ARANTES, V. A. Afetividade na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 2003.

PEREIRA, M. I. G. G. Emoções e conflitos: análise da dinâmica das interações numa classe de educação infantil. 1998. Tese (Doutorado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

PINO, A. As marcas do humano: às origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev S. Vygotsky. São Paulo: Cortez, 2005.

SILVA LEITE, S. A. Afetividade nas práticas pedagógicas. Temas em Psicologia, vol. 20, núm. 2, diciembre, pp. 355-368.Sociedade Brasileira de Psicologia, Ribeirão Preto, Brasil, 2012.

SMIRNOV, A. A. (Org.). Psicología. (F. V. Landa, Trad.). México D. F.: Grijalbo., 1969. In: TOASSA, G. (2009) Emoções e vivências em Vigotski: investigação para uma perspectiva histórico-cultural. Tese (Doutorado em Psicologia). Instituto de Psicologia da Universidade São Paulo – USP, São Paulo, 2009.

SOUZA M. T. C. C. de. As relações entre afetividade e inteligência no desenvolvimento Psicológico. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, Abr-Jun 2011, Vol. 27 n. 2, pp. 249-254.

TASSONI, E. C. M. Afetividade e produção escrita: a mediação do professor em sala de aula. 2000. Dissertação (Mestrado em Educação), UNICAMP, Campinas, 2000.

TOASSA, G.; SOUZA, M. P. R. de. As vivências: questões de tradução, sentidos e fontes epistemológicas no legado de Vigotski. Psicol. USP. São Paulo, vol.21, n.4, 2010.

______. Emoções e Vivências em Vigotski. Campinas, Sp: Papirus, 2011.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

WALLON, H. As origens do caráter na criança. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1971.

______. Do acto ao pensamento. Lisboa: Moraes Editores, 1978.

______. Psicologia e educação da infância. Lisboa: Estampa, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Solange Martins Oliveira Magalhães

TECNIA – REVISTA DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFG

EDITORA IFG
Rua C-198, Quadra 500, Jardim América | CEP 74.270-240 | Goiânia/GO

tecnia@ifg.edu.br
(62) 3237-1816