AS MULHERES DO MEU PAÍS: UM ESTUDO SOBRE MULHERES

Alcina Fernandes, Maria Manuel Baptista

Resumo


O livro As Mulheres do Meu País (LAMAS, 2002), escrito e publicado em fascículos entre 1948 e 1950 por Maria Lamas, versa a condição da mulher portuguesa da época. Este livro elege “o retrato cru da condição feminina portuguesa na primeira metade do século XX” (SEIXAS, 2002, p. XIX), em particular “das mulheres de classes sociais mais baixas, vítimas de condições que não tinham preparação para ultrapassar” (SOUSA, 2002, p. XIII), em pleno regime político ditatorial – o Estado Novo. É unanimemente tido como um marco, um monumento da literatura e do jornalismo que a autora o classifica como “documentário sobre a vida da mulher em Portugal [e] não ficamos, de forma alguma, com a pretensão de ter dito tudo quanto seria justo e necessário” (LAMAS, 2002, s/p – Palavras Finais). Em As Mulheres do Meu País, Maria Lamas retratou as mulheres no seu quotidiano, nos seus gestos e posturas, nos diversos papéis que assumem - mulher, mãe, trabalhadora, dona de casa (BEAUVOIR, 1967) - nas condições difíceis em que tinham de viver, “mas sempre enraizado no amor” (LAMAS, 2002, preâmbulo). Os temas de poder, de dominação e a luta contra-hegemónica e resistência emergem do conteúdo do livro e a autora não utiliza o binómio homem/mulher, apresentando, já, precocemente uma perspetiva interseccional de sexo e classe, o que coloca a questão de se estar em presença de uma obra que não só retrata as mulheres como também todo um sistema político.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. Os Instrumentos de controlo do Estado Novo. Lamego: Tipografia Minerva, 2016.

ARENDT, H. Sobre a Violência. Trad. Maria Cláudia Drummond. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

BAPTISTA, M. M. Estereotipia e representação social: uma abordagem psico-sociológica. In: BARKER, A. (Ed.). A persistência dos estereótipos. Aveiro: Universidade de Aveiro, p.103-116.

BEAUVOIR, S. La Féminité: un piège.... In: BONAL, Gérard et al. (Ed.). Simone de Beauvoir. Trad. Sylvie Le Bon de Beauvoir. Paris: Seuil, p.114-117.

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo: a experiência vivida. Trad. Sérgio Milliet, vol. 1, 4ª ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1967.

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo: fatos e mitos. Trad. Sérgio Milliet, vol. 2, 4ª ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970.

BELEZA, T. Estado Novo, Legislação, Democratização, Mudanças Sociais – Um Campo de Investigação ainda por Explorar?. Disponível em: . Acesso em: 03 jun. 2018.

BENNETT, T. Culture: A Reformer’s Science. Londres: SAGE, 1998.

BOURDIEU, P. A Dominação Masculina. Oeiras: Celta Editora, 1999.

CARVALHO, R. História do Ensino em Portugal. 3ª edição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

CIXOUS, H. Le sexe ou la tête?. In: Les Cahiers du GRIF, Nº13: “Elles consonnent. Femmes et Langages II”, 1967, p.5-15. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2018.

DELPHY, C. Penser le genre: problémes et résistance. In: L’ennemi principal, Vol.2: “Penser le genre”. Paris: Syllepse, 2001, p.243-260.

FERREIRA, A. Nunca a Irmandade Foi Tão Inventada, Logo Verdadeira: Maria Lamas e as “Mulheres Portuguesas. In: 2º Congresso Maria Lamas, 2ª ed., 2016, Almada, MDM – Movimento Democrático de Mulheres (Org). Maria Lamas. Vida e Obra de Maria Lamas. Atualizar o Pensamento. Abalar a Indiferença (Atas). Almada: MDM, 2017, p.163-178.

FERREIRA, E. Cartas de Maria Lamas. Porto: Campo das Letras, 2004.

FERRO, A. Salazar: O Homem e a sua Obra. Lisboa: Imprensa Nacional de Publicidade, 1993.

FIADEIRO, A. Maria Lamas, Biografia. Lisboa: Quetzal Editores, 2003.

FIADEIRO, M. Maria Lamas: uma Mulher em Pessoa. In: Presidência do Conselho de Ministros e Instituto da Biblioteca Nacional e do Livro (Org. e Ed.). Catálogo da Exposição Maria Lamas (catálogo 42). Lisboa: Presidência do Conselho de Ministros e Instituto da Biblioteca Nacional e do Livro, Lisboa, 1993, p.11-23.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete. Petrópolis: Editora Vozes, 1999.

GRAMSCI, A.; COUTINHO, C. N. Cadernos do Cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

HALL, S. Cultural Studies 1983 - A Theorectical History (Ed. SLACK, J. D. & GROSSBERG, L.). Durham and London: Duke Press, 2016.

HOOKS, B. Intelectuais negras. In: Revista Estudos Feministas, Vol.3, Nº2. Florianópolis, 1995, p.464-478. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2018.

HOOKS, B. Living to Love. In: PLOTT, M.; UMANSKY, L. (Ed.). Making Sense of Women’s Lives: an introduction to women’s studies. Oxford: Rowman & Littlefield, 2000, p.535-543.

HOOKS, B. Talking Back: Thinking Feminist, Thinking Black. New York: Routledge, 2015.

IRIGARAY, L. Quand nos lèvres se parlent. In: Les Cahiers du GRIF: “Parlez-vous française? Femmes et langages I”. Nº12, 1976, p.23-28. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2018.

IRIGARAY, L. Speculum of the Other Woman. Trad. Gillian C. Gill. Ithaca: Cornell University Press, 1985.

IRIGARAY, L. The Three Genders. In: IRIGARAY, L. Sexes and Genealogies. Trad. Gillian C. Gill. New York: Columbia University Press, p.167-181, 1993.

LAMAS, M. A Mulher no Mundo, volumes I e II. Lisboa e Rio de Janeiro: Livraria Editora da Casa do Estudante do Brasil, 1952.

LAMAS, M. As Mulheres do Meu País. Lisboa: Editorial Caminho, 2002.

MARCOS, L. Maria Lamas na Imprensa: Bordando a Liberdade Contra o Génio de Salazar. In 2º Congresso Maria Lamas, 2ª ed., 2016, Almada, MDM – Movimento Democrático de Mulheres (Org). Maria Lamas. Vida e Obra de Maria Lamas. Atualizar o Pensamento. Abalar a Indiferença (Atas). Almada: MDM, 2017, p.89-101.

PIMENTEL, I. A cada um o seu lugar, a política feminina do Estado Novo. Lisboa: Editoras Temas e Debates e Círculo de Leitores, 2011.

PIMENTEL, I. Mulheres Portuguesas no Século XX. In: Capazes.pt, 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 mai. 2018.

PORTUGAL. Constituição da República Portuguesa de 1933. Acesso: Disponível em: . Acesso em: 25 mai. 2018.

PORTUGAL. Diário do Governo, 1936, “Estatutos da Obra das Mães pela Educação Nacional”, Decreto Lei 26.893 de 15 de agosto. Disponível em: . Acesso em: 17 mai. 2018.

ROSAS, F. Salazar e o Salazarismo: Um Caso de Longevidade Política. Lisboa: Publicações D. Quixote, 1989.

SANTOS, O. Em Maria Lamas, Os Mundos Abertos da Luta Emancipadora das Mulheres. In 2º Congresso Maria Lamas, 2ª ed., 2016, Almada, MDM – Movimento Democrático de Mulheres (Org). Maria Lamas. Vida e Obra de Maria Lamas. Atualizar o Pensamento. Abalar a Indiferença (Atas). Almada: MDM, 2017, p.37-43.

SEGAL, M. W. Funções Militares das Mulheres numa Perspectiva Comparada: Passado, Presente e Futuro. Nação e Defesa, Inverno 99, Nº88 – 2ª Série, p.15-43, 1995. Disponível em: . Acesso em: 14 mai. 2018.

SEIXAS, M. J. As Mulheres do Meu País, surgem. In: LAMAS, M. As Mulheres do Meu País. Lisboa: Editorial Caminho, 2002.

SOUSA, M. L. Quando Eu Nasci. In: LAMAS, M. As Mulheres do Meu País. Lisboa: Editorial Caminho, 2002.

WITTIG, M. The Category of Sex. In: WITTIG, M. The Straight Mind and Other Essays. Boston: Beacon, 1992, p. 76–89.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Alcina Fernandes, Maria Manuel Baptista

TECNIA – REVISTA DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFG

EDITORA IFG
Rua C-198, Quadra 500, Jardim América | CEP 74.270-240 | Goiânia/GO

tecnia@ifg.edu.br
(62) 3237-1816