TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA A PARTIR DA VISÃO DO PROFESSOR

Arianny Grasielly Baião Malaquias, Natalia Carvalhaes de Oliveira, Joana Peixoto

Resumo


Tomando como ponto de partida o exercício de compreensão das relações entre educação e tecnologias e a necessidade de analisar as políticas educacionais relacionadas a essa temática, realizou-se uma pesquisa com 76 professores da rede pública estadual de educação em Goiás, com o objetivo de analisar as percepções destes professores sobre o papel das tecnologias na educação e a trajetória de suas práticas pedagógicas. O corpus textual foi obtido por meio de entrevistas coletivas realizadas com esses professores e sua análise realizada a luz do materialismo histórico-dialético. O referido corpus, constituído pelos diários de acompanhamento do trabalho empírico e das entrevistas coletivas, foi estruturado em três unidades de análise, tais quais serão discutidas neste artigo: 1) as práticas pedagógicas com uso de tecnologias, 2) formação para o uso, e 3) a visão do professor quanto ao uso de tecnologias. Os dados da pesquisa mostram que os docentes utilizam os objetos tecnológicos, em uma perspectiva tecnocêntrica e sem alcançar a práxis no sentido de atividade humana transformadora. O estudo evidencia a necessidade de uma análise mais aprofundada das políticas educacionais com enfoque no uso de tecnologias, como forma de superar a racionalidade instrumental que prevalece no tratamento do tema.


Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 1977.

CARNEIRO, I. M. S. P. et al. A racionalidade subjacente à práxis do professor no contexto da educação superior. Série-Estudos - Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB, n. 37, p. 215-226, 2014.

ECHALAR, A. D. L. F. O Programa Um Computador por Aluno no processo formativo: contradições e possibilidades de inclusão digital via ambiente escolar.2015. 147f. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia. 2015.

ECHALAR, A. D. L. F. et al. As práticas de professores quanto ao uso de tecnologias. In: ECHALAR, A. D. L. F., PEIXOTO, J., CARVALHO, R. M. A. (Orgs.). Ecos e repercussões dos processos formativos nas práticas docentes mediadas pelas tecnologias. A visão de professores da rede pública da educação básica de Goiás sobre os usos das tecnologias na educação. Goiânia: Kelps, 2015. p. 85-102.

EVANGELISTA, O. Qualidade da Educação pública: Estado e Organismos Multilaterais. In: LIBANEO, J. C.; SUANNO, M. V. R.; LIMONTA, S. V. (Org.). Qualidade da escola pública: políticas educacionais, didática e formação de professores. 1ed. Goiânia: CEPED; América; Kelps, 2013, v. , p. 13-46.

FEENBERG, A. O que é a filosofia da tecnologia? In: NEDER, R. T. (Org.). Andrew Feenberg: racionalização democrática, poder e tecnologia. Ciclo de Conferências Andrew Feenberg. Brasília: Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América Latina/ Centro de Desenvolvimento Sustentável. Série Cadernos: CCTS – Construção Crítica da Tecnologia & Sustentabilidade. v. 1, n. 3, 2010. p. 39-51.

MARX, K.; ENGELS, F. A Ideologia Alemã. São Paulo: Martin Claret, 2010.

MAUÉS, O. C. . A Agenda da OCDE para a Educação. A formação do professor. In: GARCIA, D. M. F.; CECILIA, S. (Org.). Formação e profissão docente em tempos digitais. Campinas: Alínea, 2009, v. 1, p. 15-39.

MORAES, R. de A. A Política de Informática na Educação Brasileira. Do Nacionalismo ao Neoliberalismo. 1996. 218f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

NUNES, A. I. B. L.; NUNES, J. B. C. Papel dos formadores, modelos e estratégias formativos no desenvolvimento docente. Série-Estudos - Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB, n. 37, p. 167-185, 2014.

PEIXOTO, J. Relações entre sujeitos sociais e objetos técnicos uma reflexão necessária para investigar os processos educativos mediados por tecnologias. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 20, n. 61, p. 317-332, 2015.

__________. Tecnologias e relações pedagógicas: a questão da mediação. Revista de Educação Pública, Cuiabá v.25, p.367-379, 2016.

PEIXOTO, J.; ARAÚJO, C. H. dos S. Tecnologia e educação: algumas

considerações sobre o discurso pedagógico contemporâneo. Educ. Soc. [on-line]. V.33, n. 118, p. 253-268, 2012.

PEIXOTO et. al. Formação para uso de tecnologias: os sentidos atribuídos pelos professores. In: ECHALAR, A. D. L. F., PEIXOTO, J., CARVALHO, R. M. A. (Orgs.). Ecos e repercussões dos processos formativos nas práticas docentes mediadas pelas tecnologias. A visão de professores da rede pública da educação básica de Goiás sobre os usos das tecnologias na educação. Goiânia: Kelps, 2015. p. 71-83.

VÁZQUEZ, A. S. Filosofia da práxis. São Paulo: Expressão Popular, Brasil, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Arianny Grasielly BAIÃO MALAQUIAS, Natalia Carvalhaes de Oliveira, Joana Peixoto

TECNIA – REVISTA DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFG

EDITORA IFG
Rua C-198, Quadra 500, Jardim América | CEP 74.270-240 | Goiânia/GO

tecnia@ifg.edu.br
(62) 3237-1816