Vinte e dois anos de pesquisa sobre plantas medicinais: uma análise cienciométrica

Leciana de Menezes Sousa Zago, Meirielle Euripa Pádua de Moura

Resumo


Espécies vegetais apresentam uma diversidade de componentes químicos que podem ser utilizados para tratamento de inúmeras patologias. Com o objetivo de identificar a produção do conhecimento científico acerca das plantas medicinais ao longo dos anos, foi realizado um levantamento cienciométrico de artigos publicados entre 1991 e 2013. Foram considerados na análise o nome do periódico, o ano de publicação, as palavras-chave, o nome da espécie e da família e a finalidade terapêutica. Foram encontrados 900 artigos e identificadas 776 espécies, pertencentes a 152 famílias. Os resultados indicaram uma tendência de crescimento no número de publicações relacionadas a plantas medicinais ao longo dos últimos 22 anos. A espécie mais estudada nas últimas décadas foi a Cymbopogon citratus (DC.) Stapf e os princípios ativos estudados foram testados com maior frequência para a verificação da propriedade antiparasitária. O Brasil ocupou o 2º lugar no ranking de publicações e o Journal of Ethnopharmacology destacou-se como periódico que publicou maior número de artigos na área. Ainda que os esforços científicos tenham gerado notável conhecimento a respeito de componentes de plantas, é importante considerar que há uma grande diversidade de espécies botânicas ainda não estudadas.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. A. et al. Óleos essenciais de Cymbopogon nardus, Cinnamomum zeylanicum e Zingiber officinale: composição, atividades antioxidante e antibacteriana. Revista Ciência Agronômica, v. 43, n. 2, p.399-408, 2012.

BATALHA, M. O. et al. Plantas medicinais no estado de São Paulo: situação atual, perspectivas e entraves ao desenvolvimento. Florestar Estatístico, v. 6, n. 15 p. 27-35, ago. 2003.

BLANCO, M. M. et al. Neurobehavioral effect of essential oil of Cymbopogon citratus in mice. Phytomedicine, v. 16, p. 265-270, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Doenças Infecciosas e Parasitárias: guia de bolso. 8. ed. Brasília, 2010. Disponível em: Acesso em: 24 ago. 2017.

______. Ministério da Saúde. Política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2017.

BRAZ FILHO, R. Construção da fitoquímica para o desenvolvimento de um país emergente. Química Nova, v. 33, n. 1, p. 229-239, 2010.

CALIXTO, J. B. Efficacy, safety, quality control, marketing and regulatory guidelines for herbal medicines (phytotherapeutic agents). Brazilian Journal and Biological Research, v. 33, p. 179-189, 2000.

______. Twenty-five years of research on medicinal plants in Latin America: a personal view. Journal of Ethnopharmacology, v. 100, p. 131-134, 2005.

COSTA-LOTUFO, L. V. et al. A contribuição dos produtos naturais como fonte de novos fármacos anticâncer: estudos no Laboratório Nacional de Oncologia Experimental da Universidade Federal do Ceará. Revista Virtual de Química, v. 2, n. 1, p. 47-58, ago. 2010.

CONSERVATION INTERNATIONAL. Biodiversity Hotsposts. 2010. Disponível em: http://www.biodiversityhotspots.org/xp/hotspots/Pages/default.aspx>. Acesso em: 27 abr. 2018.

ELSEVIER. Journal of Ethnopharmacology: Journal Metrics. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2014.

ESPANHA, L. G. Avaliação da mutagenicidade, antimutagenicidade e estrogenicidade de Byrsonima spp. 2014. 137f. Dissertação (Mestrado em Biociências e Biotecnologia Aplicadas à Farmácia) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade Estadual Paulista “Júlio Mesquita Filho”, Araraquara, 2014.

KLEIN, T. et al. Fitoterápicos: um mercado promissor. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v. 30, n. 3, p. 241-248, mar. 2009.

KORDALI, S. et al. Antifungal, phytotoxic and insecticidal properties of essential oil isolated from Turkish Origanum acutidens and its three components, carvacrol, thymol and cymene. Bioresource Technology, v. 99, n. 18, p.8788-8795, 2008.

MACEDO, M. F. S. et al. Determining the genotoxicity of an aqueous infusion of Balihinia monandra leaves. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 18, n. 4, p.509-516, 2008.

MADALENO, I. M. Plantas medicinais consumidas em Cochin, no século XVI e na atualidade. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 10, n. 1, p. 109-142, 2015.

MELO, J. G et al. Qualidade de produtos a base de plantas medicinais comercializados no Brasil: castanha-da-índia (Aesculus hippocastanum L.), capim-limão (Cymbopogon citratus (DC.) Stapf) e centela (Centella asiatica (L.) Urban. Acta Botânico Brasileiro, v. 21, n. 1, p. 27-36, 2007.

MOREIRA, F. V. et al. Chemical composition and cardiovascular effects induced by the essential oil of Cymbopogon citratus DC. Stapf, Poaceae, in rats. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 20, n. 6, p. 904-909, 2010.

MOURA, A. C. G. et al. The mutagenic potential of Clusia alata (Clusiaceae) extract based on two short-term in vivo assays. Genetics and Molecular Research, v. 7, n. 4, p. 1360-1368, 2008.

ORLANDA, J. F. F. Estudo da composição química e atividade biológica do óleo essencial de Ruta graveolens Linneau (RUTACEAE). 2011. 105p. Tese (Doutorado em Química) – Faculdade de Ciências Exatas e da Natureza, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2011.

PERAZZO, M. F. et al. Efeito antimicrobiano do óleo essencial do Cymbopogon citratus sobre bactérias formadoras de biofilme dentário. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 16, n. 4, p. 553-558, 2012.

SABAR, R. et al. Perioperative considerations for the patient taking herbal medicines. Heart Disease, v.3, n. 2, p. 87-96, 2001.

SANTANA, M. L. C.; DE PAULA, E. R.; ROSA, F. M. Estudo cienciométrico e etnobotânico sobre uma planta medicinal do cerrado: mama-cadela (Brosimum gaudichaudii Trécul). Revista de Biologia e Farmácia, v.7, n. 2, p.119-132, 2012.

SANTOS, R. N. M; KOBASHI, N. Y. Bibliometria, Cienciometria, Infometria: conceitos e aplicações. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v.2, n.1, p.155-172, jan./dez. 2009.

SHAH, G. et al. Scientific basis for the therapeutic use of Cymbopogon citratus, stapf (Lemon grass). Journal of Advanced Pharmaceutical Technology & Research, v. 2, n. 1, p. 3-8, 2011.

SHU, Y. Z. Recent natural products based drug development: a pharmaceutical industry perspective. Journal of Natural Products, v. 61, n. 8, 1998.

TURROLA, M. S., NASCIMENTO, E. S. Informações toxicológicas de alguns fitoterápicos utilizados no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 42, n. 2, p.289-306, 2006.

VARANDA, E. A. Atividade mutagênica de plantas medicinais. Revista de Ciência Farmacêutica Básica e Aplicada, v. 27, n. 1, p. 1-7, 2006.

VASCONCELOS, A. G. et al. Fitofármaco, fitoterápico, plantas medicinais: o reducionismo e a complexidade na produção do conhecimento científico. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.12, p.103-105, 2002. Suplemento.

VEIGA JUNIOR, V. F.; PINTO, A. C.; MACIEL, M. A. M. Plantas medicinais: cura segura? Química Nova, v. 28, n. 3, p. 519-528, 2005.

YUNES, R. A. et al. Fármacos e fitoterápicos: a necessidade do desenvolvimento da indústria de fitoterápicos e fitofármacos no Brasil. Química Nova, v. 24, n. 1, p. 147-152, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Leciana de Menezes Sousa Zago

TECNIA – REVISTA DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFG

EDITORA IFG
Rua C-198, Quadra 500, Jardim América | CEP 74.270-240 | Goiânia/GO

tecnia@ifg.edu.br
(62) 3237-1816