Hipertexto e gêneros digitais nas aulas de Língua Portuguesa: e a formação de professores?

Andréa Beatriz Hack de Góes

Resumo


O uso da tecnologia na atualidade modifica comportamentos, modos de vida e de produção e também traz profundas mudanças estruturais ao texto, diante da mescla de linguagens no espaço do hipertexto. Tal reconfiguração das formas de linguagem provocou a ressignificação e o deslocamento dos sujeitos autor e leitor no contexto da cibercultura. Diante de tantas mudanças, pergunta-se: está a escola preparada para trabalhar com novas formas de leitura e escrita? Os recursos e ferramentas oferecidos na web têm tido lugar nas aulas de Língua Portuguesa? Estão os professores preparados para lidar pedagogicamente com eles? Tendo tais questionamentos como mote de nossa pesquisa em andamento, nós nos propomos a refletir neste artigo sobre o uso pedagógico da tecnologia e sobre o trabalho com o hipertexto e gêneros digitais nas aulas de língua materna, com foco na formação de professores. Com esta pesquisa, que se desdobra em três frentes, pretendemos investigar como se dá a formação de professores nos cursos de Licenciatura em Letras em funcionamento na cidade de Salvador (BA), buscando verificar se os cursos selecionados têm em suas grades curriculares disciplinas que abordem especificamente as relações entre língua e tecnologia, hipertexto e gêneros digitais. A hipótese de que esses elementos têm ainda ficado excluídos das instâncias de formação vem sendo confirmada pelos dados já obtidos e resultados preliminares, que serão objeto de análise e reflexão neste trabalho.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, J. C. R. de; COSTA, N. Momentos interativos de um chat

aberto: a composição do gênero. In: ARAÚJO, J. C. (Org.). Internet & ensino: novos gêneros, outros desafios. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

CHARTIER, R. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: EDUNESP, 1998.

HILGERT, J. G. A construção do texto “falado” por escrito: a conversação na internet. In: PRETI, D. (Org.). Fala e escrita em questão. São Paulo: Humanitas: FFLCH/USP, 2000.

JOHNSON-EILOLA, J. Reading and Writing in Hypertext: Vertigo and Euphoria. In: SELFE, C. L.; HILLIGOSS, S. (Eds). Literacy and computers: the complications of teaching and learning with technology. New York: Modern Language Association, 1994. p. 195-219.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Trad. C. I. Costa. São Paulo: Ed. 34, 1999.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. (Org.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

PINHEIRO, R. C. Estratégias de leitura para a compreensão de hipertextos. In: ARAÚJO, J. C.; BIASI-RODRIGUES, B. (Org.). Interação na internet: novas formas de usar a linguagem. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.

ROJO, R. Gêneros discursivos do círculo de Bakhtine multiletramentos. In: ROJO, R. (Org.). Escol@ conectada: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013.

SOARES, M. Novas práticas de leitura e escrita: letramento digital. Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 81, p. 143-160, dez. 2002. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2009.

Sites

FACULDADE DOM PEDRO II. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2017.

CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2017.

UNIFACS (Universidade de Salvador). Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2017.

UNEB (Universidade do Estado da Bahia). Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2017.

UFBA (Universidade Federal da Bahia). Disponível em: . Acesso em: 25 jul.2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Andréa Beatriz Hack de Góes

TECNIA – REVISTA DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFG

EDITORA IFG
Rua C-198, Quadra 500, Jardim América | CEP 74.270-240 | Goiânia/GO

tecnia@ifg.edu.br
(62) 3237-1816