SUJEITO E LINGUAGEM EM PIERRE LÉVY, MICHEL FOUCAULT E NO ROMANCE VIDAS SECAS

Silvon Alves Guimarães, Natália Cristina Souza Pereira

Resumo


Este artigo apresenta uma discussão bibliográfica acerca da constituição do sujeito de linguagem, na perspectiva de Michel Foucault e Pierre Lévy. Partindo do romance Vidas Secas, de Graciliano Ramos, esta reflexão traz à tona os desafios de pessoas, que de uma forma ou outra ficam impedidos do acesso aos códigos de linguagem e portanto, se vêem alijados da vida social.  Buscamos, por meio desta pesquisa, os elementos para problematizar e compreender melhor o que vem a ser esse sujeito da linguagem, o que o fez nascer, o que lhe é dado a conhecer e quais são os meios disponíveis, os instrumentos à sua disposição que lhe permitem conhecer o mundo, se relacionar com ele e conhecer a si mesmo. Desta forma, percebemos que a linguagem é acima de tudo uma função. Essa função possibilita não somente a representação do pensamento, mas também a comunicação entre os seres humanos, formando o sujeito com sua identidade.

Palavras-chave


linguagem; sujeito; identidade.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.