A LOUCURA DIONISÍACA EM “HISTÓRIA DE PASSARINHO”, DE LYGIA FAGUNDES TELLES

Kelio Junior Santana Borges, Eder Davi de Freitas Melo

Resumo


Este estudo investiga a concepção de loucura representada no conto “História de passarinho”, de Lygia Fagundes Telles. Considerando o substrato mítico comum à obra lygiana, dentro da qual se destaca a figura do deus Dioniso, o tema da loucura é um dos pilares na construção da “poética dionisíaca” lygiana, temática insistentemente repassada nos textos da escritora. Numa perspectiva analítica de caráter mítico-simbólica, rastrearemos, no texto em estudo, o valor cultural do dionisíaco que, desde muito cedo, foi concebido como desregramento, loucura ou desrazão, graças ao caráter extático e transgressor do culto em honra ao deus do vinho. Para isso, recorremos à específica concepção de loucura proposta pela intuição filosófica de Friedrich Nietzsche, além de também nos pautarmos nas palavras de pesquisadores do dionisíaco e da obra lygiana.


Palavras-chave


Loucura; Cultura; Arte e sociedade

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

BENCHIMOL, Márcio. Apolo e Dionísio: arte, filosofia e crítica da cultura no primeiro Nietzsche. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2002.

BORGES, Kelio Junior Santana. A poética dionisíaca de Lygia Fagundes Telles, 2019, 270f. (Doutorado em Letras e Linguística - Estudos Literários). Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás, Goiânia-GO.

______. A infância dionisíaca em contos de Lygia Fagundes Telles. In: Scripta Uniandrade, Curitiba, Paraná, v. 16, n. 3, p. 306-325, 2018. Disponível em< https://uniandrade.br/revistauniandrade/index.php/ScriptaUniandrade/article/view/1138/944>

BORGES, Kelio Junior Santana. CÁNOVAS, Suzana Yolanda L. M. Por um pouco de memória e muito de esquecimento: uma perspectiva dionisíaca em Lygia Fagundes Telles.In: Passages de Paris, n.15, p.108-134, 2017. Disponível em: .

COLLI, Giorgio. A sabedoria grega: Dioniso, Apolo, Elêusis, Orfeu, Museu, Hiperbóreos, Enigma. Trad. Renato Ambrósio. São Paulo: Paulus, 2012. (Coleção Philosophica)

KERÉNYI, Carl. Dioniso. Tradução de Ordep Trindade Serra. São Paulo: Odysseus, 2002.

MELO, Eder David de Freitas. Noções de vida na filosofia de juventude e maturidade de Nietzsche, 2013, 81f. (Mestrado em Filosofia). Faculdade de Filosofia da Universidade Federal de Goiás, Goiânia-GO.

NIETZSCHE, Friedrich. Aurora: reflexões sobre os preconceitos morais. Trad. Paulo César de Souza. 1.ed. São Paulo: Companhia de Bolso, 2016.

______. Ecce Homo: como Alguém se Torna o que É. Tradução, notas e

posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

______. A gaia ciência. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

______. O nascimento da tragédia: ou helenismo e pessimismo. Tradução, notas e posfácio de J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

OLIVEIRA, Flávio Valentim de. Escravos, selvagens e loucos: Estudos sobre Figuras da Animalidade no Pensamento de Nietzsche e Foucault, 2018,131f. (Doutorado em Educação: Currículo, Epistemologia e História). Instituto de Ciências da Educação da Universidade Federal do Pará, Belém-PR.

PLATÃO. Apologia de Sócrates. In:______. Col. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1972.

TELLES, Lygia Fagundes. Invenção e memória. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

SILVA, Vera Maria Tietzmann. A metamorfose nos contos de Lygia Fagundes Telles. 2. ed. Goiânia: Editora da UFG, 2001.

______. Dispersos & inéditos: estudos sobre Lygia Fagundes Telles. Goiânia: Cânone Editorial, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Kelio Junior Santana Borges, Eder Davi de Freitas Melo

Revista do Núcleo de Pesquisa em Sociedade, Educação e Cultura - NUSEC do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás - IFG, Campus Aparecida de Goiânia.