Infância e Diferença: Adultocentrismo e Marcadores Sociais

Tamiris Cristina Valentim Cypriano

Resumo


A educação é fundamentada nos pressupostos elaborados pelos adultos, os quais julgam e padronizam os comportamentos, as produções, e as linguagens infantis. A violência desse regime passa por todos os indivíduos, conduzindo as crianças para que ocupem seus respectivos espaços nas estruturas sociais. A criança já é considerada como diferente simplesmente por fazer parte de uma sociedade adultocêntrica, somada a essa diferença tem as diferenças impostas pelos marcadores sociais (classe, raça, gênero, sexualidade e etnia). O objetivo deste artigo é refletir sobre a concepção da infância e de como a forma de determinadas representações de gênero e étnico raciais são construídas e reiteradas como verdades na escolarização infantil. Compreendendo a forma de como as crianças fazem parte da elaboração da cultura da qual fazem parte e produzem sentidos particulares acerca dos espaços que frequentam.


Palavras-chave


infância, diferença, sociedade, adultocentrismo

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOWICZ, Anete; RODRIGUES, Tatiane C.Descolonizando as pesquisas com crianças e três obstáculos. Educação e Sociedade. Campinas, v. 35, n. 127, p.461-474, abr.-jun. 2014.

ARAUJO, M.Educação na infância e relações étnicoraciais: inquietações, indagações e movimentos de superação. Revista Eventos Pedagógicos Desigualdade e Diversidade Étnico-Racial na Educação Infantil, 6(4), 450-481. 2015.

ARIÉS, Philippe.História social da criança e da família. 2ªed., Rio de Janeiro: Guanabara: 1973. p.279. 1973

BUTLER, J.Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira. 2003.

BUTLER, J.Cuerpos que importán: sobre los limites materiales y discursivos del sexo. Buenos Aires, AR: Paidós. 2005.

CAMPOS, Luciana Maria Lunardi.Gênero e diversidade sexual na escola: a urgência da reconstrução de sentidos e de práticas. 2015

CECCHETTO, F., RIBEIRO, FML., and OLIVEIRA, QM.Gênero, sexualidade e ‘raça’: dimensões da violência no contexto escolar. In: ASSIS, SG., CONSTANTINO, P., and AVANCI, JQ., orgs. Impactos da violência na escola: um diálogo com professores [online]. Rio de Janeiro: Ministério da Educação/ Editora FIOCRUZ, 2010, pp. 121- 146.

CORSARO, W.We’re friends, right?: inside kid’s cultures. Washington, DC: Joseph Henry, 2003

DE MAUSE, Lloyd. História de la infância. Madri, Alianza Universid: 1991.

DURKHEIM, E. Educação e sociologia. São Paulo: Melhoramentos, 1978.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de.Para uma pedagogia da infância.Pátio: educação infantil, Porto Alegre :Artmed, v.5,n.14, p.6-9, Out. 2007.

FREITAS, Luiz C.Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação & Sociedade, Campinas, v.33, n. 119, p.379-404. 2012.

GUIZZO, B. S.Aquele ‘negrão’ me chamou de ‘leitão’: representações e práticas de embelezamento na educação infantil(Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2011

HALL, S. (1997).A identidade cultural na pós-modernidade. São Paulo, SP: DP&A, 1997

KAERCHER, G.O mundo na caixa: gênero e raça no Programa Nacional Biblioteca da Escola– 1999 (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

LEVIN, Esteban.A infância em cena – Constituição do sujeito e desenvolvimento psicomotor. Petrópolis, Rio de janeiro: Vozes, 1997.

LOURO, Guacira Lopes.Gênero, sexualidade e Educação: uma perspectiva pós-estruturalista.1.ed. São Paulo: Vozes.1997.

MEYER, D. E.Etnia, raça e nação: o currículo e a construção de fronteiras e posições sociais. In M. Costa (Org.). O currículo nos limiares do contemporâneo (p. 69-84). Rio de Janeiro, RJ: DP&A. 2001.

NASCIMENTO, Maria Letícia B. P.Tupi or not tupi: escolarização desde o nascimento, a quem serve? Educação não é escolarização. . . Principalmente quando se trata da educação da pequena infância.Leitura: teoria & prática, v. 31, p. 153/61- 168. 2013.

QVORTRUP, Jeis.Nove teses sobre a “infância como um fenômeno social”. Pro-posição. Campinas, v. 64, n. 1, p.199-211, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Tamiris Cristina Valentim Cypriano

Revista do Núcleo de Pesquisa em Sociedade, Educação e Cultura - NUSEC do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás - IFG, Campus Aparecida de Goiânia.