ENSINAR E APRENDER EM CONTEXTOS NA WEB: modos e espaços

Dorcas Janice Weber

Resumo


As tecnologias digitais da informação e comunicação têm despontado novas características na estruturação social, apresentando modificações na busca por adaptar-se aos novos modos de organização, destacando-se a virtualização. Hoje a maioria das instituições possui sua página na internet e muitas ações ocorrem on-line. Contudo, os processos de integração das tecnologias digitais da informação e comunicação nas culturas, seguem sendo tema urgente de investigação, em especial no campo educacional. Propõe-se, aqui, refletir sobre os modos e espaços educativos (formais, não-formais e informais), e suas relações com a web. Autores como Lévy, Libâneo, Sancho, Moreira e Monteiro são alguns dos referenciais que auxiliam a elaborar reflexões sobre as características dos processos educativos no contexto da web. Eles nos trazer elementos distintos que nos guiam pela cibercultura, pelos conceitos e modalidades educativas e pela constituição social atual. Um olhar sobre suas teorizações nos permite compreender que as mudanças nos modos de organização social têm desvelado a urgência por mudanças nas ações educativas e, especialmente, nos lugares educativos. Assim, as reflexões movem-se em direção de uma nova compreensão sobre fazer educação em tempos em que as tecnologias digitais da informação e comunicação estão integradas cada vez mais às culturas nas sociedades.


Palavras-chave


Espaços educativos, Modalidades educativas, Web.

Texto completo:

PDF

Referências


BRUNO, Ana. Educação formal, não formal e informal: da trilogia aos cruzamentos, dos hibridismos a outros contributos. In: Mediações, vol 2 nº 2. 2014 Setúbal: Instituto Politécnico de Setúbal. Retirado em mediacoes.ese.ips.pt/index.php/mediacoesonline/article/download/74/pdf_35. Acesso em 10 nov 2020.

CANCLINI, Nestor G. Culturas híbridas. São Paulo: EDUSP, 2006.

GOHN, Maria. G. Educação não formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. In: Ensaio: avaliação das políticas públicas de educação, 14 (50), 27-38. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v14n50/30405.pdf. Acesso em 10 nov. 2020.

HENRIQUES, Rosali. Museus virtuais e cibermuseus: a internet e os museus. 2004. Disponível em https://docplayer.com.br/3773398-Museus-virtuais-e-cibermuseus-a-internet-e-os-museus-1.html. Acesso em 10 nov. 2020.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, 1999.

LIBÂNEO, José C. Pedagogia e pedagogos, para quê?. São Paulo: Cortez, 2002.

MIRANDA, L.; MORAIS, C.; ALVES, P. & DIAS, P. Redes sociais na aprendizagem: motivação e utilização dos estudantes do ensino superior. In Moreira, J. A., Barros, D. M. & Monteiro, A. Educação a distância e eLearning na websocial. Santo Tirso: Whitebooks, 2014.

MORAN, José. Educação Híbrida. In: Bacich, L.; Neto, A. & Trevisani, F. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

MOREIRA, J. A. & MONTEIRO A. Ensinar e aprender online com tecnologias digitais: abordagens teóricas e metodológicas. Porto: Porto Editora, 2012.

MOREIRA, J. A.; JANUÁRIO, S. & MONTEIRO, A. Educar na (sociedade em) rede social. In Moreira, J. A., Barros, D. M. & Monteiro, A. Educação a distância e eLearning na websocial. Santo Tirso: Whitebooks, 2014.

SANCHO, Juana M.; HERNANDEZ, Fernando. Tecnologias para transformar a educação. Porto Alegre: Artmed, 2006.

TRILLA-BERNET. La educación fuera de la escuela. Âmbitos no formales y educación social. Barcelona: Ariel, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Dorcas Janice Weber

Revista do Núcleo de Pesquisa em Sociedade, Educação e Cultura - NUSEC do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás - IFG, Campus Aparecida de Goiânia.