AFETIVIDADE E DESENVOLVIMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: Um olhar a partir da Epistemologia Genética

Sidney Lopes Sanchez Júnior, Silvia Gusmão Brandilla Calazans, Karina Jacob Monteiro

Resumo


De acordo com a teoria da Epistemologia Genética de Jean Piaget, o desenvolvimento humano acontece em uma relação íntima entre os aspectos cognitivos e afetivos. Nesse sentido, esse trabalho busca identificar a percepção de professores da Educação Infantil acerca da importância da afetividade no desenvolvimento infantil, assim como estratégias que utilizam para diminuir os prejuízos causados pelo distanciamento social decorrente da situação de pandemia vivida em todo mundo. Os dados foram coletados por meio de um questionário online, com a participação de 31 professoras que atuam na Educação Infantil em cidades do Paraná e do estado de São Paulo. As participantes da pesquisa apontam que o processo de ensino e aprendizagem não acontece sem os aspectos afetivos, e que nesse período pandêmico tem utilizado das tecnologias digitais para interações e desenvolvimento da afetividade. Considera-se que esse momento tem sido de grande desafio para todos, contudo, destacamos que as interações interpessoais e presenciais podem ser mais ricas e significativas.


Palavras-chave


Educação Infantil. Afetividade. Epistemologia Genética

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil / Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. — Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Lei n. 11.114/2005. Altera os arts. 6o, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, com o objetivo de tornar obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade. Disponível em: . Acesso em: 30 abril 2021.

BRASIL. Lei n. 11.274/2006. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Disponível em: . Acesso em: 30 abril 2021.

MORAES, R. GALIAZZI. M. do C. Análise Textual Discursiva. Ijuí: Editora: Unijuí, 2014.

PIAGET, J. Seis Estudos de Psicologia. Culturas em Debate. Rio de Janeiro. 1972.

PIAGET, J.; INHELDER, B. A psicologia da criança. São Paulo, Difusão Européia do Livro, 1974

PIAGET, J. Fazer e Compreender. Tradução de Christina Larroudé de Paula Leite. São Paulo: Melhoramentos/USP, 1978

PIAGET, J. A equilibração das estruturas cognitivas: problema central do desenvolvimento. Tradução Marion Merlone Penna. Rio de Janeiro: Zahar Editores, [1975], 1976.

PIAGET, J. O nascimento da inteligência da criança. Rio de Janeiro, Zahar, 1978.

PIAGET, J. Psicologia da primeira infância. In: KATZ, D. Psicologia das idades. São Paulo: Manole, 1988.

SANTOS, B. S. A Cruel Pedagogia do Vírus. Coimbra, Portugal: Ed. Almedina, abr. 2020.

WADSWORTH, B. J. Inteligência e afetividade da criança na teoria de Piaget. 5.ed. revisado. São Paulo: Pioneira, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Sidney Lopes Sanchez Júnior, Silvia Gusmão Brandilla Calazans, Karina Jacob Monteiro

Revista do Núcleo de Pesquisa em Sociedade, Educação e Cultura - NUSEC do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás - IFG, Campus Aparecida de Goiânia.